envelhecer

Envelhecer não é envelhecido!

Muita gente pensa que envelhecer significa perder a autonomia. Na verdade, e, erroneamente o envelhecimento na nossa cultura fica conectado as perdas de decisões, de desejo, de escolha, de habilidades e de opiniões. Mas não é bem por aí…

É inegável que com o passar do tempo as funções físicas podem apresentar certos declínios e que talvez seja preciso uma ajuda ou um suporte de quem está por perto, e é justamente aí que as coisas se confundem. Ajudar um idoso não significa decidir por ele ou impedi-lo de fazer algo, visto que, idosos continuam sendo sujeitos, gozando de seus desejos, vontades e sonhos. Continuam pensando e tendo o direito de fazer suas próprias escolhas, por mais que algumas delas não agradem seus familiares.

O declínio da autonomia física nada tem a ver com a subjetividade que habita em cada ser humano. A família como rede de apoio pode favorecer o ir e vir de um idoso, mas não impedi-lo de tomar suas próprias decisões. Devendo entender o momento atual da vida da pessoa idosa e buscar proporcionar seu bem estar.

Tirar a autonomia de um idoso significa tirar dele o poder da própria vida, é como apagar seu histórico e suas experiências que são sua base nas tomadas de suas decisões atuais. Se uma pessoa envelhece e desfruta de perfeita habilidade mental e não há em sua volta situações que a coloquem em risco, ela pode e deve continuar direcionando suas escolhas.

envelhecer

Envelhecer não significa estar envelhecido! Não é porque certas coisas se modificam que elas já não servem mais. Passos mais lentos não significam imobilidade; dificuldades não significam impedimentos; não falar não significa não sentir.

O jeito mais fácil para se entender isso é simplesmente você imaginar como seria alguém dizendo a você o tempo todo o que você deve ou não fazer e como deve fazer, sem levar em consideração a sua opinião ou o seu sentimento, passando por cima do que você pensa e assim te reduzindo a mero espectador.

Não faça do idoso alguém no qual você tem “dó”, tem “pena”, pois isso é atestar que ele não tem mais poder, sua vida está nas mãos do destino, e a ele só cabe o fim.

PSICOLOGIA ABERTA 2020 @ TODOS DIREITOS RESERVADOS